Notícias

Domingo, 11 de Agosto de 2013

Triunfenses roubam a cena no encerramento do Festival de Cinema de Triunfo

A cidade que, há 91 anos, via o cinema chegar com a inauguração do Teatro Cinema Guarany, agora já celebra uma produção cinematográfica própria. Já são quatro filmes realizados por triunfenses e dois deles brilharam no sábado, 10, dia do encerramento do Festival de Cinema de Triunfo.

O filme "Verde Vento" foi a aposta dos triunfenses na disputa pelo prêmio de melhor curta dos sertões recebendo o troféu Careta nessa categoria. Gravado em Triunfo, com atores da cidade, mas com autor/diretor da vizinha Serra Talhada, o filme faz homenagem ao poeta espanhol Garcia Lorca a partir dos versos de "Verde que te quero Verde".

A tão usada expressão "roubar a cena" coube ao curta "O Segredo de Jacobina", uma produção feita em Triunfo e totalmente por triunfenses - do autor ao elenco. Participante do Festival na categoria "Exibição Especial", o filme arrebatou a plateia ao mostrar a história de uma mulher dos anos de 1876 que era paranormal e, por isso, diziam ter parte com o diabo.

Atento a cada detalhe, o ator triunfense Teco de Agamenon se viu na tela nos dois curtas ao intepretar um bandido procurado em "Verde Vento" e o capataz de "O Segredo de Jacobina". Aos 56 anos, ele se orgulha de já somar seis filmes no currículo e anda empolgado com o convite recebido para mais um curta triunfense.

"Isso que aconteceu, hoje, vai ser pra os meus filhos dizerem, daqui a 50 anos, ele vai dizer: meu pai fez parte de dois filmes aqui no Guarany" comemorou Teco. E compleou: "Enquanto as minhas pernas aguentarem eu estou pulando Carnaval no cinema".

CERIMÔNIA DE ENTREGA - Sentir calor em Triunfo é uma cena rara numa cidade famosa pelas baixas temperaturas nessa época, mas, com o Teatro Cinema Guarany lotado, o calor humano parece ter falado mais alto e a temperatura aumentou na cerimônia de encerramento do Festival.

Coube ao prefeito Luciano Bonfim as primeiras palavras da noite reconhecendo a importância do evento para o turismo e a economia da cidade. "Há 91 anos, o cinema surgia em Triunfo e, há seis, foi retomado com esse Festival tão importante" disse o prefeito.

A temperatura no teatro aumentou ainda mais quando o escritor e professor Jomard Muniz de Britto, o homenageado do Festival, foi reverenciado. A trajetória de um dos mais importantes cineastas do Ciclo do Super 8 no Recife, com 32 filmes, foi vista na tela em um curta auto-biográfico.

Ao usar a palavra, Jamard dispensou o microfone e fez uma performance no meio da plateia lendo um texto seu escrito em pequenos pedaços de papel que ele distribuía com o público. Foi aplaudido de pé.